22/06/2011

PEC23 ou "PL122 Carioca" foi vetada

Vitória evangélica e da campanha do Pastor Silas Malafaia: PEC 23/2007 foi rejeitada por um voto na Alerj
A PEC 23/2007 que “visa acrescentar orientação sexual no rol das vedações a discriminação da Constituição do Estado do Rio de Janeiro” foi rejeitada por volta das 22 horas desta terça na Alerj. A pauta foi taxada de “PLC 122 carioca” e recebeu grande recusa dos seguidores do Pastor Silas Malafaia, que fez intensa campanha contra a proposta.
A PEC obteve apenas 38 votos a favor e 39 de contra vetando a proposta, mesmo assim precisaria de 42 votos a favor para ter quorum e ser aprovada. O presidente da Alerj, deputado Paulo Mello, também vetou a proposta de voltar a pauta de votações e discussões da casa neste ano.
O plenário recebeu durante todo o dia diversos manifestantes e lideranças evangélicas que protestaram contra a proposta. Dentre os presentes estavam o pastor Marcos Gregório, do Ministério Apascentar de Nova Iguaçu, e representantes do Pastor Silas Malafaia. Os manifestantes recebiam com fortes vaias os discursos a favor da PEC e saldavam cada palavra a favor....



Também esteve presente diversos manifestantes pró-gays que queriam a PEC 23/2007 aprovada. Ao final da votação os presentes tiveram que ser contidos por uma sirene pois devido aos protestos de ambas as partes iniciaram um pequeno tumulto.
Os deputados que votaram a favor falaram em preconceito, homofobia e estado laico após a rejeição, já os deputados que votaram contra agradeceram ao presidente da casa e ao criador do projeto, deputado Gilberto Palmares (PT-RJ), pela cordialidade do debate. No total 29 deputados não votaram ou não estavam presentes no momento da votação.
Esta foi a segunda vez que a PEC 23/2007 entrou em pauta na Alerj, na primeira foi aprovada pela grande maioria dos deputados tendo apenas dois votos contra. Entre os que haviam votado a favor estavam diversos políticos evangélicos como o filho do Missionário R.R. Soares, da Igreja Internacional da Graça, e o irmão do Pastor Silas Malafaia que alegou não ter prestado a devida atenção no que seria a pauta quando votou a favor e nesta terça discursou contra a mesma.
Fonte: Gospel+

3 comentários:

willian disse...

Ou seja, os evangélicos desejam ter o direito legal de serem preconceituosos (atirarem a primeira pedra...) contra os homossexuais.
Será que não seria mais interessante, e coerente com os princípios bíblicos, deixar para deus julgar a opção sexual das pessoas?
Quer dizer então que aquela história de amarais ao próximo como a ti mesmo, não julgaras, etc... é tudo de mentirinha?

Anônimo disse...

ESSAS PL PRO HOMO, NA VERDADE FEREM MUITOS DIREITOS DOS CIDADÃOS. TIRAM AS LIBERDADES DAS MASSAS E PRIVILEGIAM MEIA DUZIA. O DIREITO, QUANDO EXISTE, DEVE SER DE TODOS. SER HOMOSSEXUAL NÃO É CRIME. MAS TAMBÉM NÃO É RAÇA. É UMA QUESTÃO COMPORTAMENTAL, QUE SE PRATICA OU NÃO SE PRATICA. NÃO DEVE SER ENCARADA COMO UMA QUESTÃO "RACIAL". SÓ UM PEQUENO EXEMPLO: JÁ IMAGINARAM, NOMEIO DE UMA PROVA DE VESTIBULAR DOIS GAYS COMEÇAM A TROCAR CARICIAS E BEIJOS??? SE ALGUÉM OS MANDAR PARAR PODERÁ SER PRESO???? COMO FICA O DIREITO DOS OUTROS QUE ESTUDARAM E GASTARAM PARA SE PREPARAR PARA AQUELA PROVA???

Anônimo disse...

MAIS UMA: SE EU ESTIVESSE VIAJANDO NO AVIÃO ONDE AQUELES IDIOTAS AFRONTARAM O FELICIANO, NÃO PELO FELICIANO, MAS PELO MEU DIREITO DE VIAJAR SOSSEGADO, EU OS MANDARIA CALAREM A BOCA E PROCESSARIA A COMPANHIA AÉREA POR PERMITIR TAL ATITUDE. NÃO É ASSIM QUE FUNCIONA NOS ESTÁDIOS??? A TORCIDA FAZ BESTEIRA O TIME PAGA.

Postar um comentário